top of page
  • Foto do escritorFATIPI FECP

AS MARCAS DA ENCARNAÇÃO

A narrativa do Evangelho de Lucas, no seu segundo capítulo, permite-nos vislumbrar o cenário que Deus escolheu para que o Verbo se fizesse carne e habitasse entre nós: lugar bucólico, simples, singelo. Muito longe de luxo e riqueza, a rudeza de um lugar reservado aos animais era o que mais se destacava do ambiente que o recebeu. Este conhecido cenário, representado pelos muitos presépios que serão montados nas casas e nos comércios, pode nos comunicar muito a respeito das características da encarnação de Jesus, marcas que o acompanharam até à sua ressurreição.

A encarnação de Jesus é o ato de um Deus que, de tão misericordioso, se permitiu enviar seu Filho em forma humana para que pudéssemos experimentá-lo como Emanuel, Deus conosco. Ele se fez Deus-Presente, semelhante a nós, cumprindo o que havia sido dito pelos profetas. Dessa forma, a encarnação de Jesus nos inspira, deve servir para nos dirigir a vida e para imprimir em cada um dos cristãos os verdadeiros valores de Deus para o nosso tempo.

E a primeira marca que podemos observar na cena do nascimento de Jesus é a SINGELEZA. Mesmo possuindo toda a glória que lhe é devida, é num ambiente singelo, simples, humilde que começa a história da encarnação de Jesus. E este é um recado importante para todos nós: em tempos em que ser simples e singelo ficou fora de moda, tempos em que “ter” é sinal de status e muito mais importante que “ser”, precisamos nos lembrar que Jesus nasceu e viveu uma vida absolutamente simples, sem ostentação, impactando a vida das pessoas pela mensagem do amor, e não pela aparência.

Uma segunda marca da encarnação de Jesus, igualmente presente na cena do seu nascimento, é a DOR. Podemos inferir que as circunstâncias do parto do menino Deus não foram as melhores. Não havia assistência nenhuma para Maria e a sua única companhia era a do seu esposo, José. O ambiente estava longe de estar esterilizado, minimamente limpo ou apropriado para o nascimento de uma criança. Não havia aparatos médicos, berço climatizado nem colchão de espuma que pudesse acolher, assim que viesse ao mundo, o menino Jesus. Dessa forma, o Senhor, ao nascer, experimentou a dor e o sofrimento que todas as crianças experimentam no parto até hoje. E, porque sofrem, choram. Nascer é a nossa primeira experiência dolorosa.

Dor e sofrimento foram dois elementos que fizeram parte da vida de Jesus enquanto permaneceu entre nós. São elementos que integraram a sua experiência de encarnação. E este é o segundo recado que a encarnação de Jesus nos deixa: a dor e o sofrimento fazem parte da vida humana. Em tempos em que se propagam mensagens de um cristianismo de negação ao sofrimento e às dificuldades da vida, atribuindo a Deus a “obrigação” de livrar todos das mazelas humanas, o Jesus Encarnado nasceu e viveu experimentando dor e sofrimento como parte da sua experiência. Negar a dor e o sofrimento como parte da vida humana implica em ignorar que eles fizeram parte da vida daquele que habitou entre nós sem pecado e, mesmo assim, desde o seu nascimento, os experimentou.

Por fim, a encarnação de Jesus é marcada pela GLÓRIA. Desde o momento do seu nascimento, Jesus foi cercado de glória. Surgiram anjos do céu que o glorificaram e espalharam pelas campinas a mensagem tão esperada de que o Rei dos Reis havia nascido em Belém. Lucas descreve esta manifestação angelical aos pastores, dizendo que “o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor”. A glória manifesta pelos anjos era um indicativo de que aquela criança era o verdadeiro Filho de Deus.

Mas a glória final na trajetória da encarnação de Jesus se deu com a sua ressurreição. Em Atos 1 temos a ascensão de Jesus ao céu, marcada pela glória que lhe era devida. O Evangelho de João nos afirma que “a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filho de Deus”. Como filhos de Deus, também experimentamos a Sua glória. O Apóstolo Paulo, em 2 Coríntios 3, relata que todos nós que fazemos parte da família de Deus seguimos a vida “refletindo como um espelho a glória do Senhor” e experimentando gradual transformação, “de glória em glória”.

A glória fez parte de toda a vida do Jesus Encarnado, como também faz parte da experiência de todo cristão. Assim, nossa vida imita a do Jesus encarnado: não nos limitamos ao sofrimento e à dor, mas somos revestidos de glória. E glória maior, como aconteceu com o nosso Senhor, será manifesta quando estivermos na presença do nosso Deus Eterno.

Enquanto estamos no mundo, devemos nos lembrar que a encarnação de Jesus nos deixa um apelo para vivermos de modo simples, compreendendo e lidando com a dor e o sofrimento que nos são inerentes, experimentando transformação dia a dia pela Sua glória e aguardando o dia em que todo olho verá, todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor.


Rev. Esny Cerene Soares

Professor da FATIPI


83 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Renovando nosso ardor missionário

A Igreja Presbiteriana Independente do Brasil teve origem na defesa do ardor missionário para atender às demandas da sociedade brasileira. Nossos pioneiros, liderados pelo Rev. Eduardo Carlos Pereira,

Comments


Logo Faculdade de Teologia de São Paulo da Igreja Presbiteriana independente do Brasil
Teologia na FATIPI: mais que estudo, crescimento e vida com Deus.
bottom of page