• FATIPI FECP

“SEMPRE SE REFORMANDO: A FÉ REFORMADA EM EM UM MUNDO PLURAL”

Peter Berger foi um dos sociólogos que mais se debruçou sobre o tema da secularização, tendo chegado à conclusão de que o fenômeno da secularização não se efetivou de maneira homogênea nos diferentes continentes. Ao contrário, o que se percebeu foi o crescente fortalecimento da religiosidade. Frente a essa constatação, o pluralismo religioso tornou-se, para ele, o grande paradigma atual.

Sendo assim, o livro “Sempre se reformando: a fé reformada em um mundo plural!”, da Pendão Real, de Shirley C. Guthrie, é obra de inegável relevância para o contexto reformado brasileiro.

Guthrie conseguiu conciliar profundidade teológica com simplicidade, tornando o texto compreensível aos mais variados públicos.

Em 6 capítulos, ele aborda diferentes temas que nos desafiam à reflexão teológica na perspectiva reformada.

Para o autor, o relativismo religioso da tradição reformada decorre do fato que a dogmática deve se submeter a três instâncias: as confissões, as Escrituras e o contexto vivencial da igreja.

Ao destacar a importância das confissões, Guthrie nos lembra que elas dizem respeito à compreensão das Escrituras em determinado espaço e tempo, ou seja, todas as diferentes confissões reformadas confessam “sua fé no único e trino Deus. Todas expressam a mesma fé em Jesus Cristo como nosso único Senhor e Salvador. Todas reconhecem a autoridade única das Escrituras”.

No entanto, essas mesmas confissões divergem quanto ao tema da predestinação ou eleição, apontando cada uma delas para as suas limitações.

Ao destacar a instância da Escritura, algumas regras são imprescindíveis para os cristãos de tradição reformada que desejam interpretá-la no contexto plural como o nosso.

Em primeiro lugar, deve-se levar em consideração o princípio de que a Escritura interpreta a própria Escritura. No entanto, Guthrie acrescenta: “Temos de procurar interpretar a mensagem bíblica em diálogo com outras pessoas que são diferentes de nós – pessoas que, na verdade, também têm seus preconceitos, mas que podem nos ajudar a ver coisas, na palavra de Deus, que somos incapazes ou relutamos em ouvir e ver a partir da nossa perspectiva particular”.

Neste sentido, a interpretação bíblica deve ser realizada em conjunto.

Segundo Guthrie, a interpretação bíblica não deve abdicar do princípio cristológico, do princípio do amor e do princípio da fé.

Ao olhar para Cristo, questões difíceis da contemporaneidade podem ser tratadas com amor capaz de eliminar a hostilidade e indiferença, e também pela fé que nos convida a considerar o que Deus falou e fala a outros coletivamente, a fim de não incorremos no perigo de “confundir a orientação do Espírito com nossos próprios preconceitos pessoais e sociais”.

Por fim, ao destacar a instância do contexto histórico, Guthrie enfatiza que a fé reformada é fé no Deus vivo que falou a pessoas no passado e continua falando dinamicamente no presente.

O que foi dito antes não pode ser ignorado.

No entanto, o que foi dito não deve ser defendido com tamanha rigidez que ignore o Deus que fala ainda hoje, em nosso contexto pluralista. Assim, “atingimos aquilo que, segundo creio, é o próprio cerne da fé dos cristãos reformados, a razão subjacente às outras razões para o ‘relativismo religioso’ da tradição confessional reformada, e a razão mais fundamental para a sua compreensão sem paralelos da relação entre a autoridade bíblica, a tradição da igreja e o contexto histórico-social”.

Recebi de presente o livro que estamos comentando. Era um livro já lido e anotado por leitores anteriores. A primeira anotação do livro me chamou a atenção. Seu primeiro leitor fez questão de registrar que já o havia lido três vezes com gratidão pelo conhecimento adquirido a cada leitura. Foi a expressão dessa gratidão que me motivou a lê-lo e me possibilitou importantes reflexões teológicas.


Rev. Vardilei Ribeiro da Silva, tutor do Curso de Teologia EAD da Faculdade de Teologia de São Paulo da IPIB (FATIPI)




85 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Philip Yancey é um dos autores mais lidos pelos cristãos em todo o mundo na atualidade. Estima-se que mais de 14 milhões dos seus livros já foram vendidos, sendo traduzidos para mais de 25 idiomas. Al

Dietrich Bonhoeffer foi um dos mais notáveis teólogos e pastor do século XX. Vale ressaltar o apreço, preocupação e dedicação ao ministério pastoral por meio de três comportamentos marcantes: a) Ele f

FATIPI - Fauldade de Teologia de SP
Teologia na FATIPI: mais que estudo, crescimento e vida com Deus.