• FATIPI FECP

DISCIPULADO – Dietrich Bonhoeffer

Dietrich Bonhoeffer foi um dos mais notáveis teólogos e pastor do século XX. Vale ressaltar o apreço, preocupação e dedicação ao ministério pastoral por meio de três comportamentos marcantes:


a) Ele foi um dos fundadores da chamada “Igreja Confessante” na Alemanha, que surgiu por ser contrária ao regime nazista;

b) Após a conclusão do seu doutorado, ele assumiu o culto infantil na Igreja Grunewald e contava histórias bíblicas para as crianças de maneira viva e empolgante;

c) Sua prática devocional sempre foi levada muito a sério, tanto pessoalmente como no ambiente acadêmico e na prisão.


Bonhoeffer nasceu em Breslau, Alemanha, no dia 4/2/1906. Toda a sua vida foi marcada pelas duas Guerras Mundiais: a sua infância, pelo antes e durante a 1ª Guerra; sua juventude e formação teológica foram vividas no período “entre guerras”; na fase adulta, ele milita contra, é preso e morto no final da 2ª Guerra.

Com isto, vários conceitos e perspectivas estão associados a Bonhoeffer: mártir, profeta, espião e conspirador contra o regime nazista, em particular, contra a vida de Adolf Hitler. Três são os temas centrais em seu pensamento teológico: cristologia, eclesiologia e vida cristã.

Um dos principais livros da autoria de Bonhoeffer é “Discipulado”. Nele, há clara intenção em mostrar o que significa ser discípulo de Cristo.

Para ele, o discipulado se inicia com o chamado de Jesus e resulta na total transformação de vida, ou seja, no total rompimento com o sistema do mundo.

“Discipulado” está dividido em duas partes.

Na primeira, a ênfase recai na perspectiva individual do discipulado. Bonhoeffer inicia com o destaque de duas concepções acerca da graça divina: graça preciosa e graça barata.

Graça preciosa é o tesouro escondido no campo, a pérola preciosa, o chamado de Jesus que nos faz “largar tudo para segui-lo”. “Essa graça é preciosa por custar a vida do homem, e é graça por, assim, lhe dar a vida; é preciosa por condenar o pecado, e é graça por justificar o pecador”.

Graça barata é a graça como doutrina, como princípio, como sistema; significa conformismo com o pecado, sem o desejo de libertar-se dele; é a justificação dos pecados, e não do pecador; é a pregação do perdão sem o arrependimento. É a graça sem o discipulado, sem a cruz e sem Jesus vivo e encarnado.

A seguir, o discipulado é analisado tendo como referência o “Sermão da Montanha” e encerra com a ênfase nos “mensageiros” (Mateus 9.35 a 10.42).

Para Bonhoeffer, discipulado está condicionado ao chamado, à obediência, à cruz e à missão.

Na segunda parte do livro, a preocupação é comunitária e cristocêntrica. Por isto, o título: “A igreja de Jesus Cristo e o discipulado”. Nela, Bonhoeffer se preocupa com a unidade da igreja e trata do discipulado na perspectiva do batismo, do corpo de Cristo, da igreja visível, dos santos e da imagem de Cristo.

Em “Discipulado”, Bonhoeffer rejeita a graça compreendida pelo liberalismo teológico (graça barata), escola em que se formou.

A leitura do livro nos leva a refletir sobre como vivemos a fé cristã, o evangelho pregado e ensinado por Jesus. O livro é um chamado para a cruz, para a entrega e para o sacrifício.

Ser discípulo de Jesus é um privilégio, mas exige responsabilidades, renúncia e entrega total.

O livro é surpreendente por exigir muito de nós diante do discipulado de Jesus, mas também é um convite para vivermos a graça preciosa.

Bonhoeffer faleceu com 39 anos. No dia 1º/4/1945, com a Alemanha derrotada, Bonhoeffer foi transferido para a prisão de Flossenbürg.

No domingo após a Páscoa, 9/4/1945, ele compartilhou com os demais prisioneiros o texto de Isaías 53.5 e celebrou a Ceia do Senhor. A seguir, dois soldados apareceram e disseram: “Prisioneiro Bonhoeffer, preparar-se e vir junto”. Ouviu-se então as suas últimas palavras: “Para mim chegou o fim, mas é também o início”.

Bonhoeffer foi enforcado, seu corpo foi queimado e enterrado com milhares de outros.


Rev. Reginaldo von Zuben, diretor da Faculdade de Teologia de São Paulo da IPIB (FATIPI)

76 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

“A Tradição Reformada”

“A Tradição Reformada” O livro “A Tradição Reformada”, de John Leith, publicado pela Pendão Real, é verdadeira preciosidade para o contexto brasileiro. A primeira edição, em inglês, foi publicada em 1

FATIPI - Fauldade de Teologia de SP
Teologia na FATIPI: mais que estudo, crescimento e vida com Deus.